.

.

domingo, 15 de maio de 2016

OS MANGUEZAIS DE UBATUBA........

Uma pesquisa simples, mais informativa, de aspectos gerais dos Manguezais e dados importantes da cobertura desse Ecoss... thumbnail 1 summary


Uma pesquisa simples, mais informativa, de aspectos gerais dos Manguezais e dados importantes da cobertura desse Ecossistema no território de Ubatuba. Espero que tenham uma boa leitura!
Marcos Roberto Marquinhos
Mangue e Manguezal! Qual a diferença?



De acordo com Yara Schaeffer Novelli (1995), os manguezais podem ser definidos como ecossistemas costeiros de transição entre os ambientes terrestre e marinho característicos de regiões tropicais e subtropicais, sujeito ao regime de marés. Esses ambientes são constituídos por espécies vegetais lenhosas típicas, além de micro e macroalgas, adaptadas às flutuações de salinidade e sedimentos predominantemente lodosos, com baixos teores de oxigênio.



Por sua característica de área alagadiça, lodosa, o mangue sempre foi considerado um ambiente pouco atrativo, associado no passado a doenças como a febre amarela e malária, que mesmo depois de erradicadas não alteraram a imagem desse ecossistema (www.ambientebrasil.com.br) – citação no Trabalho de Conclusão de Curso de Alexandre Nardy Vasconcellos – Curso de Geografia - UNITAU
Berçário do Mar – Por serem extremamente importantes na manutenção da qualidade ambiental e dos estoques pesqueiros.
O Brasil apresenta uma linha de costa de aproximadamente 8.000 km. Mais de um terço da costa brasileira desde o Amapá até a cidade de Laguna em Santa Catarina, correspondendo a uma área de aproximadamente 10.000 km², é coberta na zona entre marés, nos estuários e deltas dos rios, por uma estreita faixa de florestas de manguezal.
Em todo mundo existem cerca de 162.000 km² desse ecossistema.
No Estado de São Paulo, os manguezais cobrem aproximadamente 2.400 km², o que representa cerca de 20% da distribuição desses ambientes no Brasil.
Nas regiões Norte e Nordeste do Brasil concentram-se cerca de 85% dos manguezais do país, enquanto que, na região Sudeste, correspondem a 5% do total de manguezais encontrados no país (Lacerda, 1999).
· Halófitas, que apresentam mecanismos morfológicos e fisiológicos específicos para viverem em ambientes salobros e alagadiços.
Importância econômica dos Manguezais – deve-se à exploração da madeira, que apresenta durabilidade e resistência, e a extração de taninos (substância adstringente), para o curtume (matéria com que se curte) de couro e fabricação de panelas. Parte da sua fauna aquática também apresenta grande aceitação no comércio alimentício (Robalos, tainhas, por exemplo), sendo efetuadas pescas artesanais e comerciais e, também, sua utilização como iscas para a pescaria.


AREA DE MANGUEZAL DE UBATUBA (2006) – 12 LOCALIDADES
Rio Escuro – 231.905,9 m² (Maior área de Manguezal do Município, apresentando um bom grau de preservação)
Rio da Fazenda – 199.705,96 m² (Manguezal mais preservado)
Rio Ubatumirim – 184.195,81 m² (apesar de ter sofrido um grande impacto em 1990 quando da tentativa de implantação de um loteamento, apesar disso mantém as características originais)
Rio Indaiá – 46.333,37 m²
Rio Tavares – 22.954,35 m² (sofre com a pressão de ocupações e lançamentos de efluentes e teve uma melhoria significativa de sua qualidade ambiental em 2004 quando foi desativada a estação de tratamento de Esgoto da SABESP)
Rio Poruba – 21.028,80 m² (ainda guardam boas características originais, com pouca interferência antrópica e margens ainda cobertas por vegetação nativa)
Rio Lagoinha – 19.939,90 m²
Rio Acaraú – 18.098,93 m² (localizado na zona central recebe grande carga de efluentes domésticos e a partir de 2004 os efluentes tratados da Estação de Tratamento de Esgotos da SABESP)
Rio Maranduba – 16.274,64 m²
Rio Itamambuca – 13.689,54 m²
Rio Promirim – 9.599,03 m² (Os aterros e ocupação à montante deste curso d’água representam uma ameaça à sua preservação devido à pequena área)
Rio Grande de Ubatuba – 6.757,34 m²
TOTAL = 790.483,57 m² ou 74,05 hectares



Os resultados mostraram que as praias da porção norte do município apresentam as maiores ocorrências de manguezais devido ao baixo índice de ocupação espacial e que as áreas urbanizadas (Centro, Indaiá, por exemplo) mostram que os manguezais vêm sofrendo a pressão do crescimento e da expansão urbana.
Fatores de Degradação dos Manguezais
· Loteamentos, expansão imobiliária;
· Pressão por ocupações irregulares;
· Lançamentos de efluentes domésticos, tratados e despejos químicos;
· Deposição de aterros;
· Detritos carregados até o mangue;
· Pressões antrópicas e extrações predatórias diversas (desde extração de matérias prima para construção de casas, substâncias necessárias para curtir o couro (tanino), alimentação (crustáceos e peixes), artesanatos e outras aplicações;
Acompanhe a nossa página!
☆☆☆☆☆☆☆☆☆

Nenhum comentário

Postar um comentário