.

.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

A MÁGICA ILHA DAS COUVES.

Uma ilhota pequenina com apenas 58 hectares de área e dois pedacinhos de areia, que formam uma das mais belas praias que já conheci... thumbnail 1 summary



Uma ilhota pequenina com apenas 58 hectares de área e dois pedacinhos de areia, que formam uma das mais belas praias que já conheci em Ubatuba. Essa é a Ilha das Couves, distante apenas 2,5km do continente, mas que parece ser um portal para um mundo mágico e sobrenatural, onde reinam apenas os pássaros e os peixes. 



Além, claro, da linda Mata Atlântica que ainda se mantém ali intacta e soberana, mesmo com o movimento intenso dos turistas que chegam diariamente com os barqueiros da Vila de Picinguaba e das redondezas.  Foi nesse pedacinho do paraíso que passamos um domingo delicioso na companhia de amigos queridos e que relato nesse post.

Ilha das Couves, em Ubatuba

Não tinha nem dois meses que havíamos visitado o Núcleo Picinguaba do Parque Estadual da Serra do Mar, em Ubatuba, quando Arthur e Ju, nossos velhos amigos de estrada nos convidaram para ir novamente passar um fim de semana por lá. Depois, mais um amigo se juntou à nós, o Klebin que já esteve conosco em Calhaus e ficou irresistível não aceitar o convite de estar com eles, nesse pedacinho bom de terra, que é Ubatuba. É certo que quase desistimos após compromissos que me prenderam em São Paulo e o trânsito que encaramos, mas com um dia de atraso, finalmente, nos juntamos ao grupo na casa da Binha, nossa anfitriã na vila caiçara de Picinguaba. 
E o melhor de tudo foi que pra nossa grande alegria e contra todas as previsões do tempo ganhamos um lindo domingo de Sol e fomos conhecer a famosa Ilha das Couves, que da outra vez na região não conseguimos ir, por causa da chuva. Era tudo que queríamos...

Paisagem da nossa varanda, em Picinguaba
Manhã de Sol vista da nossa varanda, na casa da Binha, em Picinguaba

A Mágica Ilha das Couves

Eu já havia lido e ouvido maravilhas sobre a ilha, desde quando viemos para Pincinguaba pela primeira vez. Nossos amigos também chegaram encantados de lá, já que tinham conseguido visitá-la no sábado, enquanto nós ainda estávamos na estrada rumo à Ubatuba. 
Com água na boca para, finalmente, conhecê-la, meus olhinhos brilharam, quando vi que fazia um dia lindo na manhã seguinte a nossa chegada e não tive dúvida: convenci a turma a voltar lá e nem precisei de muito esforço. Todos estavam de acordo que valeria a pena aproveitar aquele dia na praia.
Negociamos com o irmão da Binha, dona da casa que alugamos nas duas vezes que estivemos em Picinguaba e ele nos levou até a ilha numa viagem rápida de, no máximo, uns quinze minutinhos.

No caminho para Ilha das Couves
No caminho para a Ilha das Couves

Negociação, aliás, bem complicada, porque nos pareceu que o transporte ali é realizado de forma bastante individualista e pouco colaborativa. Cada barqueiro faz a sua própria negociação e o irmão da Binha não abriu mão de que todos nós voltássemos no mesmo horário, embora quiséssemos voltar em horários diferentes. Até entendo que o gasto de combustível é grande em cada viagem, mas penso que se os barqueiros se organizassem em cooperativa poderiam até mesmo fazer um esquema de horários fixos e ainda poderiam dividir o lucro entre todos, o que seria muito mais vantajoso para eles e para nós, turistas. Mas, enfim, isso não foi possível e tivemos que nos adaptar à realidade. Quem sabe, um dia, eles não percebam que o trabalho em cooperativa é muito mais rentável para todos? Ficarei aqui na torcida para que isso aconteça.

Ilha das Couves, em Ubatuba

Só o caminho para chegar na ilha já valeria a pena com aquela paisagem da Serra do Mar à nossa volta e aquele mar de um verde magistral. Mas ao chegar na ilha, a beleza é ainda maior com as outras ilhas ao redor e aquela areia grossa e amarela, tão típica dessa região.

Ilha das Couves, em Ubatuba

A ilha é verdadeiramente paradisíaca: águas calmas, mar lindo, verde exuberante e sombras deliciosas embaixo das amendoeiras. Na bela companhia dos amigos, então, é ainda melhor.

Fomos num domingo de dezembro, começo da alta temporada e o lugar não estava lotada, mas tinha um público razoável. Fico imaginando como não deve ser numa segunda de manhã...

Ilha das Couves, em Ubatuba

Ilha das Couves, em Ubatuba

A Ilha das Couves é de propriedade particular e ali mora apenas uma família, justamente os caseiros do dono da ilha. Nós não o conhecemos, mas o blog DigaMaria tem um relato da experiência com o manejo das Vieiras, junto dessa família caiçara. 
Há um único restaurante na ilha, numa de suas duas praias. Nós não chegamos a comer lá, mas nossos amigos comeram e acharam que não valeu o custo x benefício. Com a experiência deles já validada, nós optamos pro levar apenas uns lanchinhos e almoçamos no retorno à Picinguaba.

Ilha das Couves, em Ubatuba

Depois de uma manhã deliciosa na ilha, curtindo uma praia sem pressa e sem compromisso, era hora de ir embora. No horário marcado, o pai da Binha veio nos buscar e partimos deixando o coração na ilha, enquanto apreciávamos mais da deslumbrante paisagem do caminho.

Retorno à Picinguaba da Ilha das Couves, em Ubatuba
No caminho de volta, já chegando à Picinguaba

Ilha das Couves, em Ubatuba
E a cor dessa mar?

Almoçamos com nossos amigos e logo após eles começaram o caminho de retorno para São Paulo, enquanto nós aproveitamos que chegamos depois para curtir mais um pouquinho de Picinguaba e da nossa deliciosa casinha alugada com essa vista aí da foto.  Foi curioso fazer a mesma foto com menos de dois meses de diferença e aproveito para postar as duas.

Picinguaba, em Ubatuba
No caminho para nossa casa em Picinguaba

Picinguaba, em Ubatuba
Mesmo ângulo da foto abaixo
(outubro de 2015)


Informações Práticas:

Como chegar?
A forma mais fácil e rápida de chegar à Ilha das Couves é contratar um barqueiro na Vila de Picinguaba, que numa viagem de quinze minutos chegará ao destino. Em dezembro de 2015, nós pagamos R$20 por pessoa nesse persurso.

Onde ficar?
Não há pousadas na ilha e não sei se é possível acampar. O que fizemos foi alugar uma casa de nativos em Picinguaba, o que foi uma experiência deliciosa que eu já relatei nesse post.

O que levar?
- Repelente
-Protetor solar
- canga, cadeira de praia, barraca de praia (nós só levamos cangas e aproveitamos as sombras das árvores, abundantes na ilha).
- Lanche 
- Água
- Snorkel (a água é translúcida e por ali há vários pontos de mergulho bacanas e de fácil acesso)


Nenhum comentário

Postar um comentário