.

.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

TRILHA SETE PRAIAS DESERTAS DE UBATUBA

Praia do Bonete Ubatuba é uma das cidades mais bonitas do estado de São Paulo. É o último município do litoral norte e faz div... thumbnail 1 summary

Praia do Bonete



Ubatuba é uma das cidades mais bonitas do estado de São Paulo. É o último município do litoral norte e faz divisa com Paraty, compartilhando com essa cidade as belezas da Serra do Mar, que deixa seu litoral todo recortado e com morros bem próximo ao mar. Entender a geografia da cidade é um desafio, já que suas pontas, penínsulas e enseadas fazem desenhos sinuosos no litoral, deixando a paisagem ainda mais linda. É quase impossível fazer uma foto em Ubatuba sem aparecer alguma pontinha de serra, ou ilha. Nós temos muitas lembranças boas dessa cidade, afinal nossa primeira viagem foi pra conhecer a paradisíaca praia de Puruba e adjacências.
Dessa vez, fomos com dois amigos e parceiros de viagens: a Ju e o Arthur e fizemos aqui nosso Reveillon fora de época, já que saímos de São Paulo no dia 26 e voltamos 29 de dezembro, viajando no contra-fluxo da multidão de paulistanos afoitos para pular sete ondinhas na virada. E decidimos fazer nosso ritual de passagem pro ano-novo, na trilha das sete praias desertas, caminhando o dia inteiro, começando na Praia da Fortaleza, passando pelas praias: Cedro, Bonete, Bonetinho, Perez, Oeste e terminando na Praia da Lagoinha. Um da inesquecível e cheio de aventuras, que relato a seguir.

Nosso primeiro desafio foi descobrir onde era o início da trilha, já que perguntamos a vários caiçaras e ninguém sabia nos informar. Nem mesmo o staff do hostel conhecia. Só isso já me deixou animada, pois ir a lugares pouco conhecidos me enche de prazer.
Eu havia lido na internet que a trilha era entre a Praia da Lagoinha e da Fortaleza, daí o Thiago estudou o mapa e decidiu que iríamos para a Fortaleza e de lá nos informaríamos sobre a trilha. Estávamos de carro e isso era uma preocupação, pois só a ida seriam 10km e não teríamos tempo (nem pique) de ainda voltar caminhando mais 10km até o carro. Teríamos que conseguir transporte até o ponto inicial da trilha. 
Tudo se resolveu quando chegamos na Praia da Fortaleza e conhecemos o Cutia, caiçara dono do estacionamento local e de uma simpatia única. Ele nos explicou que a trilha poderia ser feita a partir dali mesmo e que poderíamos voltar de ônibus, ou de barco e até se prontificou a nos buscar, nos passando seu celular. Deixamos o carro ali e seguimos pra praia, mais tranquilos e animados com a receptividade.

Começo da trilha: a Praia de Fortaleza de Ubatuba


A Fortaleza tem esse nome, pois uma formação rochosa protege o lugar. A praia é bonita, com águas calmas e boa estrutura de quiosques. O acesso é por uma estradinha asfaltada, mas bem sinuosa, o que dificulta um pouco o acesso, mas mesmo assim a praia estava bem cheia. Foi a partir dela que iniciamos nossa caminhada.

Praia da Fortaleza, na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Praia da Fortaleza

Pelo que eu havia pesquisado, as pessoas costumam fazer a trilha no sentido Lagoinha-Fortaleza, mas nós fizemos no sentido inverso e não nós arrependemos, pois o nosso trecho inicial foi bem puxado com muitas subidas pesadas. Foi bom fazer essa parte, quando ainda estávamos com pique, já que o trecho final, próximo de Lagoinha é todo plano e foi um passeio muito agradável caminhar ali, descansando os músculos. Além disso, as praias mais bonitas estão nesse trecho próximo à Fortaleza e conseguimos chegar até lá com um Sol bonito, pois no fim da tarde o tempo começou a mudar e chegamos a Lagoinha com o céu nublado e muitas nuvens encobrindo a Serra do Mar. O único problema foi que subimos morros puxados com Sol à pino, já que iniciamos tarde a caminhada. Foi duro, mas recompensador.

A trilha se inicia no lado direito da praia e já encaramos ali a primeira ladeira. Num determinado momento, há uma bifurcação para conhecer o rochedo famoso na região que forma uma fortaleza natural, mas acabamos não indo até lá, já que tínhamos o plano de passar ali de barco, na volta da caminhada.

Trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Subindo

Logo chegamos numa construção abandonada com vários grafites, que eu achei fantásticos. Fico imaginando como seria morar ali, no meio da mata. Aliás, vimos várias casas isoladas ao longo da trilha, ainda ocupadas e me surpreendi com a rusticidade com que essas pessoas vivem.

Ruínas grafitadas na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Ruínas grafitadas, no caminho

O caminho continuava cheio de subidas e descidas, com paisagens cada vez mais espetaculares. Alguns trechos de mata mais fechada davam um refresco no calor, mas sem a sombra o Sol estava de rachar.

Na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Margeando o mar

Conseguimos ver a ponta da Fortaleza de longe, cheia de pedras com uma única árvore que cresceu ali solitária e imponente. Um espetáculo. Mais tarde, voltando pra Fortaleza de barco, passamos bem pertinho dali e conseguimos admirar melhor aquela beleza.

Vista da Ponta da Praia da Fortaleza, na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Ponta da Praia da Fortaleza

Começamos a entrar numa área de mata mais fechada e nos afastamos do mar. Depois, estudando o mapa me dei conta que a trilha corta um bom caminho para chegarmos à Praia do Cedro.

Na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Entrando na mata

Trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Dentro da mata

Aqui foi outro lugar que encontramos uma casa habitada, inclusive com cachorros que vieram nos recepcionar. Como será que essas pessoas vivem? Pena não termos encontrado ninguém pra conversar.

Praia do Cedro


Após uma hora de caminhada, chegamos finalmente à segunda (e a mais bonita) praia da trilha: o Cedro. O trecho de areia é pequeno e dividido por pedras que ficam bem no meio da praia. Tinham algumas barracas de camping no lugar e muitas pessoas fazendo snorkeling. Ali se formam lindas piscinas naturais entre as pedras, o que propicia o mergulho. Obviamente, que largamos tudo e fomos curtir as águas mansas do lugar.

Praia do Cedro, na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Praia do Cedro

Piscinas naturais na Praia do Cedro, na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Piscinas naturais

Ficamos ali um bom tempo e a vontade era de ficar mais. O lugar é esplêndido. Mas o tempo passava e ainda estávamos no começo da caminhada. Precisávamos continuar.

Piscinas naturais na Praia do Cedro, na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Mais piscinas naturais

Praia do Bonete

Seguimos viagem rumo à Praia do Bonete, a terceira no nosso roteiro. Uma caminhada rápida, mas bem cansativa, com uma ladeira íngreme e descampada. Subimos com Sol na cabeça e fazendo força. Pra mim, esse foi o trecho mais duro. Ainda bem que foi rápido.

Praia do Cedro, na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
A Praia do Cedro vai ficando pra trás

Trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Subindo

Logo aós a subida, novamente nos embrenhamos na mata fechada e continuamos a caminhada, passando por trilhas quase fechadas. Estudando o mapa, observei que não passamos por uma praia chamada Deserto. Não sei se não há mesmo trilha pra lá, ou se pegamos a trilha errada, mas ficou a vontade de voltar pra conhecer essa que deixamos pra trás.
Tudo estava tranquilo até a Ju ver uma cobra bem em frente à ela. Eu apavorei e passamos por onde ela estava com braços levantados e marchando, tentando disfarçar o receio dela surgir de novo. Foi tenso.
Trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Dentro da mata, rumo ao Bonete

No fim, tudo deu certo e logo começamos a ouvir barulho de gente e de motores. Chegamos a pensar que eram carros, mas sabíamos que ali não havia acesso por estrada. Chegamos em seguida no Bonete e descobrimos que ali é um local de estacionamento de lanchas e iates que aproveitam a tranquilidade do mar para ancorar e curtir a praia.

Praia do Bonete, na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Praia do Bonete

No Bonete, existem algumas (poucas) opções de quiosque no canto esquerda da praia, onde ancoram os iates. Foi ali que comemos um pastel delicioso e os meninos já aproveitaram pra tomar uma cervejinha. Eu que sou fraca pra bebida achei melhor ficar só na coca, já que ainda tínhamos muito chão pela frente, mas brindamos assim mesmo a conclusão da metade do percurso.
Depois, fomos pro canto direito da praia, bem menos frequentado e achamos uma sombrinha embaixo de uma árvore gostosa e ficamos ali bastante tempo. A Ju aproveitou pra tirar um cochilo e os meninos se divertiam com uns coquinhos que caíam da árvore, que usavam como bola de futebol/frescobol.

Praia do Bonete, na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Curtindo uma sombrinha gostosa (foto do Arthur)

Praia do Bonete, na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Na parte mais deserta do Bonete

Fui eu quem acabei com a festa da moçada, quando percebi que o tempo estava mudando e várias nuvens já começavam a encobrir a Serra do Mar. Fiquei com medo de pegarmos chuva na trilha e acelerei o povo pra retornarmos à caminhada.

E a trilha continua...


Dali, uma subidinha bem tranquila nos levou à quarta praia: o Bonetinho.

Praia do Bonetinho, na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Praia do Bonetinho, vista da trilha

A praia tem uma pequena faixa de areia com apenas um quiosque e poucas pessoas. Aproveitamos pra comprar água, mas seguimos adiante sem muita pausa, porque o tempo estava cada vez mais fechado.

Praia do Bonetinho, na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Praia do Bonetinho (foto do Arthur)

A partir dali a trilha fica bem tranquila, só com trechos planos. Conseguimos adiantar bastante o passo, mas não sem admirar as pedras do caminho, ainda mais com a luz do fim de tarde que se aproximava. Entre o Bonetinho e Lagoinha, há várias comunidades e cruzamos com vários caiçaras que tem a trilha como seu caminho diário pra casa.

Trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Trecho final de trilha plana, beirando o mar

O visual dessa parte é bem interessante, pois vamos serpenteando o mar, bem próximo à ele e já começamos a ver mais sinais de civilização. Logo, avistamos a quinta praia: a do Perez.

Praia do Perez, na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Praia do Perez à direita e lá no fundo, a civilização (Lagoinha)

A Praia do Perez é ainda menor que a do Bonetinho e passamos por ela sem parar, pois o fim da tarde se aproximava. E a chuva também.

Na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Fim de tarde, na trilha

Praia do Perez, na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Atravessando a Praia do Perez com suas casinhas à direita

A partir dali, a trilha fica bem movimentada e quase urbana. Foi aqui que conhecemos o Seu João Lopes. O Thi estava conversando com o Arthur e perguntou à ele:
- Tá chegando?
Nesse exato momento, o Seu João estava passando por nós com um fardo de cerveja e respondeu pro Thi:
- Sim, tô chegando.
A pergunta não tinha sido endereçada exatamente à ele, mas essa foi a deixa pra engatarmos numa prosa com o caiçara que mora na região desde que nasceu. Ele nos contou sobre a vida ali, já que eles não tem luz e usam gerador. Perguntamos se a vida dele melhorou e ele respondeu que piorou com o turismo. Não consegui entender os seus motivos, pois seu sotaque não ajudou muito, mas pude entendê-lo, quando cheguei na Praia da Lagoinha e vi tanta gente e muita bagunça.

Seguimos nosso caminho e passamos pela sexta e penúltima praia: a do Oeste.

Praia do Oeste, na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Praia do Oeste 

Praia do Oeste, na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Praia do Oeste com tempo fechado

Finalmente, a Praia da Lagoinha


Dali foi uma caminhada bem rápida até o nosso destino final: a Praia da Lagoinha.

Praia da Lagoinha, na trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
De volta à civilização, na Praia da Lagoinha

A Lagoinha até que é bonita, com areia fina e um belo visual da Serra do Mar. O problema do lugar era a quantidade de gente amontoada ali com carros andando na areia sem nenhum pudor e a barulheira de crianças gritando e pessoas conversando. Definitivamente, havíamos voltado à civilização.
Comemoramos a chegada com uma água de coco, num dos quiosques da praia e nem mesmo a bagunça do lugar atrapalhou nossa alegria de ter alcançado nosso objetivo de ano novo.

Fim da trilha e o retorno


O próximo passo era conseguirmos transporte de volta à Fortaleza, afinal nosso carro estava lá. Conversamos com vários barqueiros, tentando negociar um preço mais barato, mas na alta temporada não tem conversa. Ou você aceita, ou eles levam outro passageiro no seu lugar. Como queríamos fazer o passeio, optamos por pagar os R$90, que ele pedia.

Volta de barco após a trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
No barco, de volta à Fortaleza

Pegamos o barco do Alessandro, um caiçara do Bonete, que na baixa temporada trabalha na manutenção das casas de veraneio da região. Ele também tem um quiosque na praia e é na alta temporada que ele faz seu pé de meia pra se manter no inverno. É assim com muitos que vivem do turismo em Ubatuba, já que a cidade não apresenta muitas opções de emprego.
O caminho foi bem tranquilo, com paisagens esplêndidas. Nosso barqueiro foi parando em alguns pontos estratégicos e nos levou novamente ao Cedro e nos contou que essa praia foi considerada uma das mais bonitas do Brasil, pelo Guia 4 Rodas. Entrei no site e vi que, de fato, ela tem quatro estrelas, mas não tem a pontuação máxima. Não que eu ache que o Guia 4 Rodas seja um bom parâmetro pra avaliar a qualidade de qualquer lugar, mas achei bacana o orgulho dos caiçaras de ter uma praia tão linda.

Pôr do Sol no retorno da trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Pôr do Sol encoberto pelas nuvens

No caminho, fomos literalmente atropelados por um peixe-voador, que eu sequer sabia que existia. O bicho voa bem baixo, rente ao mar e acabou batendo no casco do barco, fazendo um barulhão. Ele passou por baixo de nós e seguiu seu vôo. Um espetáculo.

Logo chegamos à ponta da Fortaleza, aquela mesmo que tínhamos avistado apenas de longe, no começo da trilha. A formação rochosa ali é mesmo impressionante. Uma pedra sobre a outra e em cima de todas, surge uma árvore solitária e resistente. São por causa dessas rochas, que se estendem bastante mar à dentro, que a praia tem o nome de Fortaleza, já que as pedras protegem naturalmente o lugar.

Ponta da Fortaleza, no retorno da trilha das 7 praias desertas de Ubatuba
Ponta da Fortaleza

Era o fim do nosso passeio. O Alessandro nos deixou na praia e seguimos para o estacionamento do Cutia, que gentilmente nos ofereceu uma ducha de água doce, na sua própria casa.

E posso dizer que assim começou nosso 2014, no dia 27 de dezembro de 2013. E começou muito bem. Que venha mais!


Informações Práticas

Onde começa a trilha?
É possível iniciar a trilha a partir da Praia da Fortaleza (por onde começamos), ou da Lagoinha.
Pela Fortaleza, a trilha começa do lado direito, assim que a praia acaba e começa o trecho de mata. Pela Lagoinha, a entrada é pelo lado esquerdo da praia e é necessário cruzar o rio que desemboca ali.

Precisa de guia?
Não. A trilha é em linha reta e não há qualquer possibilidade de se perder por ela. 
E também não é necessário pagar nada pela caminhada.

Qual o nível de dificuldade?
São 10km apenas de ida, ou 20km se somar ida e volta. Nós optamos por fazer os 10km de ida e no retorno, contratamos um barco para fazer o caminho de volta. Caminhamos num ritmo bem tranquilo e levamos seis horas para concluí-la, parando para tomar banho e descansar em quase todas as praias.
Há algumas subidas íngremes, mas também muitos trechos planos. E a cada praia é possível parar para tomar banho de mar e descansar.
Claro que o nível de dificuldade depende de cada um, mas diria que essa é uma trilha de dificuldade moderada.

O que levar?

Algumas praias, tem uma estrutura de quiosques, onde é possível comer e até mesmo tomar uma cervejinha, mas algumas praias são realmente desertas e é bom estar preparado com bastante água, protetor solar (muitos trechos são dentro da mata, mas a maior parte do tempo é no Sol à pino), lanches, roupa de banho e um bom e confortável tênis. 













Nenhum comentário

Postar um comentário