.

.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Coordenador da Defesa Civil de Ubatuba participa de reunião com COMDEC

O coordenador da Defesa Civil de Ubatuba, Guaraçay dos Santos, participou de um evento que reuniu representantes da Coordenadori... thumbnail 1 summary

O coordenador da Defesa Civil de Ubatuba, Guaraçay dos Santos, participou de um evento que reuniu representantes da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (COMDEC) das regiões do Litoral: Norte, Centro Sul e Sul na última terça-feira, 24, na cidade de Santos/SP.


 

A iniciativa foi um convite da Casa Militar do Estado de São Paulo  e contou com a participação da chefe da Secretaria da Defesa Civil de São Paulo, coronel Helena Reis.
Durante o evento, foram abordados temas como o funcionamento da Defesa Civil em âmbito estadual e nacional, além do procedimento diante de catástrofes e acidentes, pois os órgãos oferecem ajuda e suporte às cidades em que são registradas ocorrências, principalmente, quando a prevenção é bem feita dentro da COMDEC.
“Essa prevenção é feita com base nos dados repassados diariamente para a Defesa Civil de São Paulo, que faz uma previsão de chuvas com base nas últimas 72 horas. Os dados são colhidos por meio de pluviômetros, gerenciados pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), consolidados e analisados com os índices de risco, que é o que indica o sinal de alerta ao município”, explicou Santos.
Para Ubatuba, esse índice é de 100 milímetros (equivalente a 100 litros por metro quadrado). O município conta com 22 pluviômetros automáticos, cedidos pelo Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden),  e nove semi-automáticos.

Áreas de risco

Santos ainda destacou que o período de dezembro a março é classificado como de alerta vermelho, pois é uma época em que chove muito. Quando isso ocorre, o procedimento é que a Defesa Civil saia a campo e vá aos locais de risco para agir de acordo com o Plano Preventivo de Defesa Civil (PPDC).
Em Ubatuba, existem alguns locais considerados como áreas críticas de risco: Perequê Mirim (morro do Funhanhado), alguns pontos no bairro da Lagoinha, morro Pedreira e bairro Sesmaria.
O coordenador lembrou a importância da união entre as secretarias da Prefeitura para atender às regiões, caso sejam afetadas pelas catástrofes. Por isso, na próxima semana a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social  deve reunir as pastas para alinhar uma possível atuação conjunta, caso seja necessário.

Acontecimentos

A catástrofe mais recente em Ubatuba aconteceu em 2005, em que a Prefeitura decretou estado de emergência e os serviços básicos como telefonia, água e energia elétrica foram afetados
Na ocasião, pelo menos 91 pessoas tiveram as casas alagadas e foram alojadas no Ginásio do Tubão e outras 50 em uma escola do bairro Maranduba.

Conhecimento

Santos também acrescentou que o trabalho da Defesa Civil exige conhecimento diversificado, pois é preciso se atentar a questões como maré e fase lunar, que influenciam diretamente a correnteza e o escoamento das águas pluviais, além de planejamento, logística e leitura de gráficos.
Como mais uma oportunidade de aprimoramento para atuação na cidade, o coordenador da Defesa Civil vai participar, nos dias 30 e 31 de janeiro, de um curso sobre operações humanitárias e desastres naturais que acontece em São José dos Campos.

Balanço de atendimentos de 01 até 26 de janeiro de 2017

Podas, quedas e cortes de árvore – 33
Retirada de abelha – 09
Desabamento de terra em via pública –0 1
Vistoria de áreas em construção – 02
Apoio a isolamentos de área (solicitação da Polícia Militar) – 01

PREFEITURA   DE   UBATUBA SP

Nenhum comentário

Postar um comentário