.

.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Presidente da Fundart fala sobre os projetos e desafios da Fundação que completa 30 anos em 2017

Em 25 de novembro de 1987, o então prefeito de Ubatuba, Pedro Paulo Teixeira Pinto, assinou a criação da Lei Municipal nº 893, que dava v... thumbnail 1 summary

Em 25 de novembro de 1987, o então prefeito de Ubatuba, Pedro Paulo Teixeira Pinto, assinou a criação da Lei Municipal nº 893, que dava vida à Fundação de Arte e Cultura de Ubatuba – Fundart, pioneira no Litoral Norte. Hoje, três décadas depois, Pedro Paulo assume a presidência da Fundart, após outras duas participações na Fundação, para dar seguimento aos projetos que outrora sonhou para a instituição.



IMG_6898De acordo com o presidente, a Fundação tem por finalidade planejar e executar a política cultural do município, executando programas, projetos e atividades que visam o desenvolvimento cultural de Ubatuba.
Para conhecer um pouco mais sobre a Fundação de Arte e Cultura de Ubatuba, acompanhe abaixo a entrevista com Pedro Paulo.
Portal Caiçara: A Fundart está completando 30 anos, como você avalia essas três décadas, os objetivos estão sendo cumpridos?
Pedro Paulo: A Fundart apresentou muitos serviços na área da cultura, não foi o que pensamos lá atrás, pois sempre estamos aquém das necessidades, até por uma questão de orçamento e dificuldades. A cultura sofre pelo Brasil ser um País desmemoriado, onde fica difícil até mesmo o patrocínio para esta área. Muitas pessoas que nasceram aqui não conhecem a nossa história, e eu nem digo toda a história, mas nem mesmo as mais importantes, os fatos principais.
Portal Caiçara: Hoje, quais os projetos mais importantes da Fundação?
Pedro Paulo: O principal projeto é o “Arte para Todos”, que são as oficinas culturais, os ensinamentos, aulas em vários segmentos da cultura. O projeto é bom, mas vamos melhorá-lo. O que acontece é que nos últimos tempos a importância desse projeto foi invertida, por exemplo, hoje temos R$ 100 mil de orçamento anual para as oficinas culturais, e cerca de R$ 600 mil por ano para os demais eventos. Não que os eventos não sejam importantes, são, mas eles são vitrines, que vêm e se mostram, de acordo com o conteúdo, e quando terminam não deixam raízes, diferentemente das oficinas. Não vamos sacrificar os eventos existentes que consideramos importantes, como a Festa de São Pedro, Caiçarada, Paixão de Cristo, Carnaval de Marchinhas, entre outros, mas queremos inverter essa importância, dando mais destaque para as oficinas culturais. Em Caraguá existem polos estrategicamente distribuídos pelo município para as oficinas, enquanto que aqui nós estamos sediando nossas oficinas culturais em espaços muitas vezes precários.
Portal Caiçara: Como a Fundart tem conseguido atuar em tempos de crise?
Pedro Paulo: Além da crise, nosso orçamento este ano está mais controlado, reduzido, pois a prefeitura precisar pagar as dívidas que herdou, enfim, ano que vem pode ser que melhore. Agora em relação a patrocínio, que seria uma solução para os eventos, em época de crise, até os potenciais patrocinadores que antes diziam um sim pequeno, com pouco recurso, hoje está pior ainda. A nossa solução não será desvestir os eventos, mas vesti-los de uma forma mais econômica, mais condensada, fazer mais com menos.
Portal Caiçara: A falta de recursos financeiros tem afastado os grandes shows da cidade? Os outros municípios do Litoral constantemente produzem shows, até como um atrativo para o turismo, e a população de Ubatuba tem reclamado dessa falta de entretenimento, principalmente no Carnaval, que ficou restrito ao Festival de Marchinhas. 
Pedro Paulo: As outras cidades têm orçamentos muito superiores ao nosso. Assumimos em plena temporada, e no Carnaval deixamos de fazer shows para não chocar com os próprios blocos que passaram pela avenida. O problema não é ter bastantes eventos, é programar eventos de qualidade. Gosto não se discute, mas qualidade sim. Estamos marcando uma reunião para acertar o calendário de eventos da cidade, pois nós temos um calendário, a prefeitura tem outro e o turismo outro, e assim os eventos ficam se chocando. Com um melhor planejamento, vamos selecionar melhor os eventos e assim administrar com mais qualidade o nosso orçamento.
Portal Caiçara: Como a Fundart trabalha a cultura dentro das comunidades tradicionais da cidade?
Pedro Paulo: Apoiamos eventos, como corridas de canoa, folia do divino, etc. Sempre que possível administramos cursos também dentro das comunidades.
Portal Caiçara: Temos visto o turismo regional ganhando força no Litoral, é possível acontecer essa união também na cultura?
Pedro Paulo: Sim. Nosso objetivo é nos reunirmos em breve com as outras cidades e trabalhar a cultura regional, reivindicando verbas estaduais para o Litoral Norte, com mais força política. Sempre acreditei nessa união.
Portal Caiçara: O teatro é uma grande frustração da população de Ubatuba, mas recentemente o atual prefeito anunciou sua abertura para o próximo mês, como esse espaço poderá ser utilizado para a cultura?
Pedro Paulo: A ideia é abrir o teatro dentro dos primeiros cem dias de governo. Ainda não sabemos como será sua administração, quem vai geri-lo, pois o teatro pertence à prefeitura e não à Fundart. Eu estive no teatro de Caraguá, que é gerido pela Fundacc, trouxe o regulamento que é usado por eles, que já tem mais de dez anos, para entender como se faz o uso do espaço, etc. Independente de quem vai gerenciá-lo, o teatro pode ser usado para espetáculos, exposições, palestras, enfim, o seu uso pode ser diário.
Portal Caiçara: Como está a obra de restauração do Sobradão do Porto?
Pedro Paulo: Recebemos apontamentos do Tribunal de Contas e do Iphan. As obras foram paralisadas e a prefeitura busca agora entender e corrigir os problemas para dar andamento. Em breve soltaremos um comunicado explicando toda a situação.
Portal Caiçara: A Fundart busca trabalhar a cultura nas escolas? Existe algum projeto nesse sentido?
Pedro Paulo: Em janeiro nos reunimos com a Secretaria de Educação e estamos propondo a utilização da rede escolar em projetos casados com a Fundart. O objetivo é levarmos diversas apresentações culturais para dentro das escolas. Primeiro faríamos um trabalho voltado para os professores e diretores, e em seguida analisaremos como fazer isso chegar às salas de aula, com envolvimento também dos pais, essa é a proposta inicial. A Secretaria de Educação está ainda com muitos problemas, e estamos esperando eles se organizarem, para não atropelarmos tudo.
Portal Caiçara: Agora na Páscoa, os munícipes podem esperar a tradicional encenação da Paixão de Cristo?
Pedro Paulo: Sim. Este ano vamos valorizar os prédios históricos da cidade, uma parte será realizada na Praça da Matriz, outra no Sobradão do Porto e a crucificação e ressurreição será no Morro da Prainha. Já estamos realizando os ensaios.
Portal Caiçara: O que muda na Fundart na gestão do Sato? O que ele tem pedido a vocês?
Pedro Paulo: Ele recomendou que fizéssemos crescer a parte das oficinas. Quer foco nessa área. Vamos trabalhar nesse sentido porque é realmente o que cria raiz e frutifica.
Portal Caiçara: Quais são os seus planos para a Fundart, os planos do Pedro?
Pedro Paulo: Mesmo com todas as dificuldades, eu sonho, e às vezes perco até o pé da realidade, mas se não sonhar nem o mínimo a gente faz. Para essa gestão quero realizar o Plano Decenal de Cultura, que é uma orientação do Ministério da Cultura, um projeto burocrático que visa discutir com o Conselho Municipal de Cultura e a população políticas públicas para o setor. É um plano para o Brasil todo, que vai demorar e não é fácil. Quero aproveitar o potencial que a gente tem. Fazer mais do que já foi feito, fazer mais com o menos que a gente tem.

PORTAL  CAIÇARA

Nenhum comentário

Postar um comentário