.

.

domingo, 14 de maio de 2017

Modelo que matou grafiteiro em São Vicente, SP, é localizado e preso no litoral norte

Leto morreu após ter sido agredido pelo modelo Eloy Buono (Foto: Reprodução/Facebook)   http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/ ... thumbnail 1 summary
Leto morreu após ter sido agredido pelo modelo Eloy Buono (Foto: Reprodução/Facebook)




O modelo fotográfico Eloy Buono foi localizado e preso pela polícia em Ubatuba, no litoral de São Paulo, na terça-feira (9). Foragido da Justiça desde dezembro de 2016, ele é acusado de matar o grafiteiro Wellington Dias Bezerra, o Leto, em São Vicente (SP), em outubro de 2014




Eloy foi localizado a partir de um monitoramento realizado pelo Ministério Público de São Paulo (MPSP) na internet. "Ele era muito ativo nas redes sociais e tinha um até canal no YouTube", disse o promotor André Luiz dos Santos, responsável pelo caso.
O trabalho de investigação levou a Promotoria a tentar localizá-lo no Sul do país a partir de vídeos que o acusado divulgou nas redes sociais. No entanto, Eloy foi encontrado enquanto treinava em uma academia, no litoral norte. Ele não resistiu à prisão.
"Ele vai responder o processo preso e esperamos que assim permaneça. Há um recurso pendente, mas acreditamos que ele permanecerá preso. Já ficou bem claro que, pelo modo de vida desse rapaz, o quanto ele desafia a sociedade e a justiça", disse o promotor.
Para o advogado de defesa, Mário Badures, a prisão do cliente é "completamente ilegal, descabida e desproporcional". Por isso, ele já apresentou pedido de habeas corpus na Justiça para tentar liberá-lo. Até a noite desta sexta-feira (12), Eloy permanecia preso. 

Caso

Leto foi agredido por Eloy enquanto realizava uma pintura no muro de uma residência em 13 de outubro de 2014. Sem aparente justificativa, os dois discutiram, e o agressor atingiu a vítima na cabeça com um skate. O grafiteiro, segundo os médicos, teve afundamento de crânio.
A vítima foi colocada em coma induzido e morreu em 24 de outubro daquele ano. Eloy se apresentou no 1° Distrito Policial de São Vicente uma semana antes, afirmando que atacou Leto apenas para se defender. Em depoimento foi descoberto que os dois já se conheciam.
O delegado Marcos Alexandre Alfino disse na época que o modelo afirmou que ele tinha ido a um estúdio de tatuagem para fazer um desenho e que Leto trabalhava no local. O acusado, segundo a polícia, não havia gostado de um esboço feito pela vítima, naquela ocasião.
Nos meses e anos seguintes, audiências foram realizadas no Fórum de São Vicente, mas Eloy não compareceu. Segundo o advogado Mário Badures, a ausência do cliente é justificada pelas mais de 300 ameaças de morte que ele recebeu. "Estão todas nos autos", afirmou.
Grafiteiro foi agredido enquanto trabalhava em São Vicente (SP) (Foto: Reprodução/Facebook) Grafiteiro foi agredido enquanto trabalhava em São Vicente (SP) (Foto: Reprodução/Facebook)
Grafiteiro foi agredido enquanto trabalhava em São Vicente (SP) (Foto: Reprodução/Facebook)




Nenhum comentário

Postar um comentário