.

.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Satélite Tancredo-1 é exposto em evento na SBPC, um dos principais encontros científicos do Brasil

Duas réplicas do nanossatélite Tancredo-1 estão chamando a atenção na 69ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciê... thumbnail 1 summary



Duas réplicas do nanossatélite Tancredo-1 estão chamando a atenção na 69ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), realizada de 17 a 22 de julho em Belo Horizonte (MG). Elas estão em destaque nos estandes das principais entidades do setor no Brasil: o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e a Agência Espacial Brasileira (AEB).


 


 Desde a implantação da ideia, em 2010, aproximadamente 600 crianças de uma escola pública de Ubatuba já participaram do projeto UbatubaSat, que colocou em órbita o Tancredo-1, em dezembro de 2016.
A analista em Ciência e Tecnologia do INPE, Márcia Alvarenga, conta que a repercussão do Tancredo-1 na exposição tem sido muito boa. “As pessoas se surpreendem ao saber que estudantes de uma escola pública de Ubatuba fizeram um satélite. Ficam mais surpresas ainda quando ficam sabendo da idade das crianças envolvidas no projeto e muitas falam: ‘vamos falar pros nossos professores virem aqui no stand””, relata a especialista.
Realizada desde 1948, a Reunião Anual da SBPC é um dos mais importantes fóruns para a difusão dos avanços da Ciência nas diversas áreas do conhecimento e um fórum de debates de políticas públicas para a Ciência e Tecnologia. As réplicas estão expostas e é possível visitá-las gratuitamente na área reservada para o INPE e também no estande da AEB.
O Tancredo-1 foi representado por modelos construídos pelos alunos da Escola Tancredo de Almeida Neves de Ubatuba. Eles estão expostos junto de maquetes dos satélites SCD, o primeiro desenvolvido pelo Brasil, e do CBERS, realizado em parceria com a China.
Os alunos da pós-graduação do INPE, Daniel Nono, Daniel Resemini e Walter Mahler, deram explicações técnicas sobre o passo-a-passo do processo de criação e material utilizado no Tancredo-1 e explicaram a proposta do projeto UbatubaSat. Além disso, ministraram várias oficinas livres de cubesat durante o evento.

O UbatubaSat

O projeto UbatubaSat teve início em 2010 na Escola Municipal Presidente Tancredo de Almeida Neves (Etec). A iniciativa do professor Cândido Osvaldo de Moura capacitou um grupo de alunos do sexto ano a construir o nanossatélite Tancredo-1. Ele levou três anos para ficar pronto, sendo lançado em dezembro de 2016, do Centro Espacial Tanegashima, no Japão, pela Estação Espacial Internacional (ISS). Em janeiro, o equipamento foi colocado definitivamente em órbita a partir do módulo japonês da ISS. Os participantes assistiram ao vivo às operações na sede do INPE, em São José dos Campos (SP). Com 9 cm de diâmetro e 13 cm de altura, o equipamento de 700 gramas foi totalmente construído no Brasil com o apoio do Inpe e da Agência Espacial Brasileira (AEB). Já está em andamento um novo projeto de satélite, o Tancredo-2, com a sofisticação do equipamento e uma câmera para monitorar o clima na Terra.
Fonte e foto: Assessoria de Imprensa

http://portalcaicara.com.br 

Nenhum comentário

Postar um comentário